Musée de l’Armée - JODF — Portfólio online JODF — Portfólio online
Portfólio
Currículo
/jodf80
Blog
flickr.com/JODF
jodf__
jodf@jodf.com.br
11 995 339 613

JODF — Portfólio online

Musée de l’Armée — Por JODF
12 de janeiro de 2015 — 17:48
Assunto: Artes Plásticas, Ciências & Tecnologia — Tags: ,    

Share

Pretendia terminar o relato da minha passagem por Paris ainda na semana passada. Porém, motivos óbvios tornaram este post inconveniente para ocasião.

Após visitar a exposição sobre as Guerras Mundiais, era hora de visitar o museu da Armada Francesa.

Morteiro de Bronze

O museu fica no prédio de uma antiga (e imagino, a principal) academia militar francesa. Num grande pátio central rodeado de canhões de bronze, andei feito “barata tonta” até achar a entrada.

Nas salas daquele museu havia todo tipo de espadas, armaduras e elmos. Também encontrei muitas bestas, mosquetes e canhões. Armamentos que iam desde a época dos romanos até quase a Era Napoleônica.

Capacetes e lanças greco-romanas

pistolas do seculo XVIII

Canhão de nove tiros

Depósito de armaduras

Exatamente como temia, o mesmo problema do Louvré: um acervo gigantesco, repetitivo e cansativo. O lugar parecia mais um depósito do que um museu.

No sub-solo do prédio havia uma exposição permanente, muito interessante sobre a vida de Charles de Gaullé (que seria ainda muito mais interessante se eu pegasse o equipamento de áudio, gratuito, na entrada.

A vida de Charles de Gaulle

Mas e aí, era só isso? Decidi atravessar o pátio e procurar mais coisa. E encontrei. Aquela metade do prédio é dedicada à Era Napoleônica.

Napoleão Bonaparte retratado como César

Uniformes, armas e objetos originais do próprio Napoleão Bonaparte, de seus sucessores e de suas tropas.

Casaco de Napoleão Bonaparte

Armas do final do século XIX

Até o famosos Cavalo Branco empalhado estava lá.

O Famoso Cavalo Branco do Napoleão era realmente branco

 No penúltimo andar daquela ala havia uma pequena exposição de arte e tecnologia da época da I Guerra Mundial.

Ilustração de Georges Scott de 1915

E no último andar, uma coleção de maquetes geográficas das antigas cidades fortificadas francesas (bem menos interessante do que você está pensando).

 O museu tem muita coisa interessante. Muita coisa mesmo. O grande problema é que essas muitas coisas são muito parecidas. Isso deixa o acervo muito mais ostensivo do que didático.